Sociedades de advocacia precisam retirar pró-labore ou podem retirar tudo como lucro (COSIT 79)?

Layout Artigos - AM Contabilidade Online

Compartilhe nas redes!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

Em junho de 2021 a Receita Federal publicou a Solução de Consulta nº 79, onde apresenta uma conclusão sobre a obrigatoriedade das empresas pagarem pró-labore para seus sócios. Foi uma sociedade unipessoal de advocacia que formulou esta pergunta, e a intenção de seus sócios foi questionar se parte dos valores pagos a título de distribuição de lucros necessariamente teriam que ser tratados como retirada de pró-labore.

Afinal de contas, sociedades de advocacia precisam retirar pró-labore ou podem retirar tudo como lucro? O que define a COSIT 79? Uma sociedade de advocacia, mesmo optante pelo Simples Nacional, precisa recolher o INSS sobre a folha de salários dos colaboradores e sobre as retiradas de pró-labore dos sócios. Por isso, entender a questão da COSIT 79 é fundamental, para que tudo seja feito absolutamente respeitando a legislação.

Especializada em contabilidade para sociedades de advocacia, a AM Contabilidade Online tem inúmeros clientes desse segmento em todo o país. Conhecemos este mercado intimamente, assim como dominamos toda a legislação pertinente. Por isso, resolvemos preparar este conteúdo para deixar claro se sociedades de advocacia precisam retirar pró-labore ou podem retirar tudo como lucro.

abre

As empresas são obrigadas a pagar pró-labore?

A Receita Federal diz que sim, que todas as empresas devem pagar pró-labore para seus sócios que exerçam atividade na companhia e sobre esse pagamento haverá contribuição previdenciária. A Receita Federal se posiciona desta forma com base na Solução de Consulta nº 120, da Coordenação-Geral de Tributação (COSIT), publicada no Diário Oficial da União em 19 de agosto de 2016.

A Receita Federal diz que as empresas devem discriminar o pró-labore, para que não haja confusão entre este pagamento e a distribuição de lucros. Se houver confusão, todo o valor pago será tributado, tanto a título de pró-labore quanto de participação nos resultados. Vale lembrar que o pró-labore é considerado um rendimento gerado pelo trabalho, daí gerar contribuição previdenciária. A distribuição de lucros não gera contribuição previdenciária (e nem imposto de renda).

A atividade advocatícia no Simples Nacional

A atividade advocatícia no Simples Nacional se enquadra no Anexo IV. A alíquota do imposto deste anexo começa em apenas 4,5% (faturamento anual té R$ 180 mil), enquanto boa parte dos demais prestadores de serviços começa com uma alíquota maior, de 6%. Alguns chegam a pagar uma alíquota inicial de 15,5%!

Ou seja, para os advogados esta alíquota é muito interessante e trata-se da mais baixa alíquota de tributos no país. Isso significa que compensa muito para um advogado abrir uma sociedade advocatícia e optar pelo regime tributário Simples Nacional.

Apesar da alíquota inicial ser extremamente vantajosa, há uma questão que precisa ser analisada: a contribuição previdenciária no anexo IV. Este anexo é o único que continua cobrando a contribuição previdenciária patronal, ou seja, sobre o valor gasto com o pagamento de salários e pró-labores é pago uma alíquota de 20% para o INSS. E esta conta pesa para o escritório, sem dúvida alguma.

A distribuição de lucros não é taxada, mesmo no Anexo IV do Simples Nacional. Ou seja, o valor distribuído ao sócio do escritório advocatício, a título de distribuição de lucros, não gera contribuição previdenciária e nem imposto de renda.

É preciso citar, ainda, a possibilidade do ISS ser pago como fixo por profissional. Consequentemente, essa alíquota do Simples terá uma redução do percentual do ISS que será pago como fixo, ficando a partir de 2,5% o imposto sobre o faturamento.

O que muitos advogados fazem, então?

Exatamente por conta de tudo o que explicamos, muitos advogados optam por receber apenas distribuição de lucros da empresa. Assim, evitando o pró-labore, não pagam contribuição previdenciária sobre o valor que seria recebido como tal. Vale lembrar que há somente duas formas do sócio retirar dinheiro da empresa: por meio do recebimento de pró-labore ou com a distribuição de lucros.

Mas será que está certo o advogado tirar tudo como lucro? Se isso for feito, ele está respeitando a legislação? Há algum problema com isso?

Especializada em contabilidade para escritórios advocatícios, o que a AM Contabilidade Online recomenda?

Nossa carteira de clientes conta com muitos escritórios de advocacia de todo o país e sempre recomendamos que os sócios retirem um pró-labore no valor de apenas um salário-mínimo. E sobre esse pró-labore será, sim, aplicada a alíquota da contribuição previdenciária. Esta é a nossa orientação contábil, que – acreditamos – melhor atenderá ao escritório, isso porque o pagamento de pró-labore ao sócio que trabalha na empresa é obrigatório.

Mas e se o advogado não quiser mesmo arcar com esta carga tributária sobre o pró-labore, como fica?

É preciso tomar todo cuidado do mundo para que as soluções encontradas atendam a legislação. E contabilmente temos uma saída para isso, sim: o sócio advogado não receberá pró-labores todos os meses, como recomendamos. Mas também não fará retiradas mensais. As retiradas, a título de distribuição de lucros, serão feitas ocasionalmente, periodicamente, e sobre elas será pago o pró-labore de apenas um salário-mínimo.

O advogado poderá, por exemplo, fazer três ou quatro retiradas ao longo do ano, e somente nestas ocasiões receberá pró-labore de um salário-mínimo e pagará contribuição previdenciária sobre ele. Contabilmente existem justificativas que garantem que quando há retiradas de lucros há retiradas de pró-labore. Assim, criamos uma proteção para o escritório de advocacia.

Discuta esta estratégia com o seu contador

Trata-se de uma estratégia embasada, e cabe ao advogado discutir com o seu contador se deve adotá-la ou não. Há a vantagem de reduzir o pagamento de contribuição previdenciária sobre o pró-labore, o que é efetivamente muito bom, mas em compensação as retiradas não serão mensais. Tem muita gente que não se entende muito bem com pagamentos trimestrais, por exemplo, e isso deve ser levado em consideração.

E o COSIT 79?

Em um de seus parágrafos, a Solução de Consulta COSIT nº 79/2021 diz: “Pelo menos parte dos valores retirados pelo advogado titular da sociedade unipessoal precisa ter natureza jurídica de pró-labore, sujeito à incidência de contribuição previdenciária. Se a discriminação entre o pró-labore e a distribuição de lucros não estiver devidamente escriturada, o montante integral será considerado pró-labore. No entanto, caso ele não retire valor algum, a base de cálculo é zero”.

A AM Contabilidade Online pode ajudar sua sociedade de advocacia

Acreditamos que ao chegar até aqui, lendo atentamente a este conteúdo, você, advogado e dono de um escritório de advocacia, saiba exatamente se sociedades de advocacia precisam retirar pró-labore ou podem retirar tudo como lucro. Se ainda assim você tiver alguma dúvida, não se preocupe. A AM Contabilidade Online está pronta para lhe apoiar e responder a todas as suas perguntas.

Clique aqui e faça contato com um de nossos especialistas em contabilidade para sociedade de advocacia. Isso não vai lhe custar nada, e se você precisar de ajuda para outras demandas, estamos à sua disposição! Como já dissemos, conhecemos muito bem este segmento e sabemos exatamente o que deve ser feito para, por exemplo, a sociedade de advocacia pagar menos impostos por meio de um amplo planejamento tributário. Conte conosco!

Se você precisa de serviço relacionado ao artigo ou necessita de maiores informações sobre o assunto, conte conosco, da AM Contabilidade Online.

Muito mais do que apenas o envio de impostos e o cumprimento das obrigações: conosco, além de você encontrar soluções para o seu negócio, também pode contar sempre com nossos especialistas para o que for relacionado à contabilidade enquanto propulsora do crescimento de seu negócio.

Entre em contato conosco utilizando as informações disponibilizadas em nosso website; caso prefira, você pode utilizar a ferramenta de chat do WhatsApp, ela fica localizada no canto inferior direito.

Estamos apenas te esperando.

PRESSIONE AQUI AGORA MESMO E FALE JÁ CONOSCO PARA MAIS INFORMAÇÕES!

Classifique nosso post post

Falar com especialista agora!

Compartilhe nas redes:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Veja também

Posts Relacionados

Saiba Agora Mesmo Como Encantar Clientes Blog - AM Contabilidade Online

Como encantar clientes: quais as dicas?

Conheça 5 dicas de como encantar clientes para suas atividades como representante comercial Confira, neste artigo, quais as principais dicas para conseguir encantar clientes em suas atividades como representante comercial Todos sabem que a retenção de clientes é um dos

Receita Federal Prorroga O Prazo Da Declaracao Do Imposto De Renda 2022 Blog - AM Contabilidade Online

Prorrogação IRPF 2022: entenda com aproveitar, infoprodutor

Entenda como aproveitar a prorrogação IRPF 2022 para otimizar o envio da sua declaração Infoprodutor, reunimos informações importantes, as quais vão ajudar você a aproveitar melhor a prorrogação do IRPF 2022 Você ficou sabendo que houve a prorrogação do IRPF

Conheca Os Detalhes Sobre A Lei 488665 Para Representantes Comerciais Blog - AM Contabilidade Online

Lei 4.886/65: de que você precisa saber?

Conheça os detalhes sobre a Lei 4.886/65 para representantes comerciais e o direito ao 1/12 avos que ela permite ao profissional Entender as questões pertinentes ao vínculo empregatício de um representante comercial é fundamental. Confira, neste artigo, todos os detalhes

Recomendado só para você
Conheça todos os detalhes sobre a declaração de Imposto de…
Cresta Posts Box by CP
Back To Top